28 maio 2015

Uma História de Amor e Toc - Corey Ann Haydu


Resenha por: Ana Zuky
Título: Uma História de Amor e Toc
Autor(a): Corey Ann Haydu
Editora: Galera Record
Gênero: Sick-lit / Romance / Drama
Paginas: 320
Ano: 2015
Compare e Compre: Buscapé
Adicione: Skoob
Nota:
Sinopse: Uma História de Amor e TOC - Bea foi diagnosticada com transtorno obsessivo-compulsivo. De uns tempos pra cá, desenvolveu algumas manias que podem se tornar bem graves quando se trata de... garotos! Ela jura que está melhorando, que está tudo sob controle. Até começar a se apaixonar por Beck, um menino que também tem TOC. Enquanto ele lava as mãos oito vezes depois de beijá-la, ela persegue outro cara nos intervalos dos encontros. Mas eles sabem que são a única esperança um do outro. Afinal, se existem tantos casais complicados por aí, por que as coisas não dariam certo para um casal obsessivo-compulsivo? No fundo, esta é só mais uma história de amor... e TOC.

Uma História de Amor e Toc da autora Corey Ann Haydu, lançado no Brasil pela Editora Galera Record, aborda um assunto delicado e não tão explorado; e talvez fora do conhecimento de quem não tem o TOC “Transtorno Obsessivo Compulsivo”, por exemplo, EU!

Narrado em primeira pessoa pela personagem Bea, conhecemos seu TOC que se relaciona ao medo de facas e tudo que seja perigoso e cortante, tem uma certa obsessão por ter um caderno onde guarda todos os dados sobre alguém que já matou, além, de gostar de saber da vida de um casal que frequenta o consultório da doutora Pat, e sua obsessão por eles a leva segui-los e anotar tudo num caderno, ela os vê como uma família feliz e muitas vezes se imagina com a vida deles. Além disso tem outro personagem, Beck, que aparece logo no início da leitura quando num baile de escola as luzes se apagam e o sujeito aparece, e sabendo como é ter uma crise, ela o conforta. Após os acontecimentos deste dia, ele foge e ela não vê mais, porém não consegue parar de pensar nele. Isso até o dia em que a doutora Pat aconselha uma terapia em grupo a Bea, e é nesta terapia que ela o revê. A partir deste momento a história começa a mostrar quem é Beck e seu TOC, que seria ter uma certa implicância com o número 8, ter que sempre estar limpo, além de estar sempre preocupado com sua saúde e por isso vai a academia.

Amor e Toc foi o primeiro livro que li sobre o assunto TOC como drama central, abordando este assunto de forma leve, em momentos engraçada e noutro tenso. Por este motivo me apeguei a leitura a fui até o fim e logo após a leitura sair pelo google a procura de mais sobre esta doença, acabei descobrindo que a vários tipos, uns simples e outros muito preocupantes. A autora Corey, mostra apenas alguns, se focando no TOC da personagem Bea, deixando os outros de lado sem muito a dizer. Por esta razão, eu não gostei muito da narrativa, talvez se tivesse sido em 3º pessoa os assuntos externos seriam melhor explorados e explicados, deixando a par, nem que fosse um pouco, sobre outros personagens e seus TOC’s.
O romance acrescentado foi apenas para dar uma leveza e o toque jovem. Porém não gostei tanto assim, coisas sobre o casal ficou sem muita explicação, como o envolvimento e o que ele estaria proporcionando aos dois. Gostaria que a autora tivesse ido mais a fundo neste relacionamento.

Sobre a revisão deste livro, eu já tenho uma queixa, que me deixou bem desconfortável. Há muitos erros que me fizeram voltar e reler para entender o que estava acontecendo. O que recebi de cortesia da editora foi a primeira edição, não sei se é por causa disso ou não, mas espero que nas próximas edições isso seja concertado. Até porque a Editora sempre caprichou nesta etapa, e é o primeiro livro que pego com erros assim.
A diagramação é simples com fontes confortável e folhas amarelas.

Diante dos pontos negativos que levantei que acabei dando uma nota mais baixa, da qual gostaria, a história foi uma surpresa e me fez ir além da leitura para descobrir mais, o que me levou a questionar se eu teria ou não, porque eu tenho umas manias mas acho que estou na fase simples nada preocupante. Rs
Então vocês devem estar se perguntando se eu recomendo ou não. Sim, eu recomendo a leitura, que de forma simples e engraçada a autora nos envolve e chama atenção para um assunto delicado, levando o conhecimento de uma doença que não é tão abordada e explicada a todos, principalmente aos jovens. O que muitos podem achar frescura e até uma forma de chamar atenção, pode ser grave e levar a circunstancias nada agradável. Um alerta sutil para abrir os olhos de quem não quer enxerga.

2 comentários:

  1. Olá!!

    Eu já vi muitas resenhas sobre esse livro e as opiniões sempre são as mesmas, os erros acabaram estrangando a obra e a personagem não convenceu tanto. O que é uma pena porque é um tema realmente não muito abordado seria muito bom ver ele explorado de uma maneira mais completa :(

    Parabéns pela sinceridade! E espero que haja uma revisão melhor.


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  2. Oii.
    Até hoje não vi uma resenha elogiando esse livro, e ai acabo me desanimando.Parece ser um assunto tão bacana de se abordar, de mostrar para o restante da sociedade como é ter TOC, mas acaba deixando a desejar. Uma pena!
    Vamos torcer para que melhorem nas próximas edições haha

    Beijos ;*
    Proseando com uma BibliophileFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir