19 outubro 2015

A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard

Resenha por: Ana Zuky
Título: A Rainha Vermelha #1
Trilogia: Red Queen
Autor(a): Victoria Aveyard
Editora: Seguinte  
Gênero:  Distopia / Fantasia
Paginas: 424
Ano: 2015
Compare e Compre: Buscapé
Adicione: Skoob
Nota:
Sinopse: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe - e Mare contra seu próprio coração.

A Rainha Vermelha é o primeiro livro da trilogia Red Queen da autora Victoria Aveyard, publicado e lançado pela editora Seguinte no Brasil.
O livro tem inúmeros clichês do gênero Distopia, me fazendo lembrar outros livros. Não que as semelhanças tenham estragado a história, ao contrário, mesmo previsível consegui me sentir ligada a 220 volts.

Mare Barrow, nossa protagonista cheia de personalidade, narra toda uma sociedade dividida por sangue, e quão injusto é esta divisão.
Os sangues vermelhos, como ela, são a escória, os plebeus, trabalhadores que vivem para servir o governo Prateado, se não bastasse a situação em que os vermelhos vivem, eles são convocados, obrigatoriamente, a servir numa guerra sem fim; os escudos, assim sendo, os primeiros a morrer. Os sangues prateados é a realeza, vivendo uma vida cheia de glamour, usando seus súditos para os trabalhos árduos. Os prateados além de serem esnobes e ricos, eles, por terem sangue prata são privilegiados com poderes inimagináveis, como manipular fogo, terra, água, ferro, entre outros elementos. Sendo impossível uma rebelião, oprimindo os de sangue vermelho, já que são desprovidos de tais poderes.

Mare não passa de uma ladra mão leve em seu vilarejo, roubando para ajudar sua família, já que ela não possui a habilidade que a irmã mais nova tem, cuja a faz trabalhar para os nobres fazendo bordados. Contudo, seu aniversário está chegando, e aos 17 anos os moradores dos vilarejos são obrigados ir à guerra, isso caso o jovem não seja um aprendiz – Aprendizes tem o privilégio de não serem convocados para a guerra, por estar aprendendo uma função que irá servir aos prateados direto ou indiretamente -, caso contrário não tem como escapar. Se não bastasse a desgraça de seu aniversário estar perto e não conseguir um mestre, seu melhor amigo, Kilorn Warren, órfão de guerra, acaba de perder seu mestre, sendo seu destino as trincheiras. Com medo de também perder seu amigo, como perdeu seus irmãos – que estão na guerra – ela tenta achar uma forma de escapar, porém muito cara. Desacorçoada, ela vai para longe de seu vilarejo, no bar em que estava roubando, ela acaba sendo pega por alguém, descobrindo mais tarde, mais precisamente noutro dia quando é convocada ir ao palácio de verão do rei, ser um príncipe, seu salvador que arranjou um trabalho para ela dentro do palácio. Isso sendo apenas a ponta do iceberg, ela um sangue vermelho descobre ter poderes de manipular a eletricidade.
Seu medo e nojo de prateados, a leva ser um deles, tendo que manipular e mentir para se salvar e, acima de tudo, salvar sua família.

O universo criado por Victoria, é surpreendente. O jogo de poder do governo, o sangue e poderes sobrenaturais mesclados na trama tornou a história um frenesi. Completando, para dar leveza e servindo como um escape para o panorama, um romance onde dois jovens irmãos prateados da realeza, tão diferente como água e óleo e usados como peões no jogo do poder, deixam nossa personagem dividida em suas escolhas, assim contribuindo também a minha forma de pensar e escolher.
O governo injusto e mesquinho, manipulando, enganando, mentindo, semelhando a realidade, tem toda atenção provocando indignação e repudio. Os personagens, muito bem construídos e postos, são impressionantemente fabulosos. Cada personagem tem sua função, havendo aqueles que provocam reações inesperadas ao leitor.

Resumindo, eu amei a escrita da autora, que usou e abusou de sua imaginação. Trazendo uma distopia YA bem fluida com bastante tensão. É o tipo de história que pode causar ódio ou amor, mas para descobrir qual sentimento te causaria aconselho a ler. Eu acabei amando e você?

Leitura indicada aos amantes do gênero distopia, que procuram uma leitura cheia de intrigas e aventuras.

Gostou? Então Curta ♥

9 comentários:

  1. Inicialmente eu tinha me interessado mais por esse livro pela capa linda, é aquele tipo de livro que se compra pela capa, além do conteúdo, mas depois vi tantos comentários positivos sobre a história dele que acabei me interessante mais pelo conteúdo da história, que acredito que irei adorar, parece ser um livro ótimo e estou muito ansiosa para começar a leitura dele, sua resenha está muito boa e pretendo ler A Rainha Vermelha em breve.

    ResponderExcluir
  2. tenho lido muitas resenhas deste livro e confesso que inicialmente tinha uma outra visão dele que de cara me fez repudiá-lo... só que agora eu quero muito lê-lo, não só pelos seus elogios, mas também porque percebi que a trama tem um poder de evolução e conquista muito forte!
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. soube que esse é o primeiro livro de uma trilogia, (espero estar certa) gostei da resenha e o livro deve ser muito bom, mas apesar de estar bastante curiosa pra ler o livro, nao ficarei nessa ansiedade e só vou ler quando tiver todos os livros da serie em mãos .

    ResponderExcluir
  4. Ana, fico feliz que as semelhanças e os clichês distópicos presentes em A Rainha Vermelha não tenha atrapalhado sua leitura. Estou bem animado e ansioso para este livro, não posso negar. Quero muito me envolver e conhecer mais sobre a divisão de classes por sangue, vermelho e prateado. Com certeza, Mare Barrow renderá uma ótima leitura pra todos. Gostei!

    ResponderExcluir
  5. Olá! Já li comentários super positivos acerca desse livro e agora com a sua resenha tenho a certeza de que é uma obra que vale a pena ser lida! Gostei bastante do enredo e pelo que pude perceber, apesar de trazer a essência das distopias, A rainha vermelha tem o seu diferencial. Gosto muito desses jogos de poder e da luta daqueles que são oprimidos, que batalham por uma sociedade igualitária, mesmo em um universo distópico e sobrenatural. Ansiosa por este livro!

    ResponderExcluir
  6. Fico muito feliz que tenha gostado, acho que tambem irei gostar, mas eu vou esperar até lançarem o terceiro e ultimo livro. Eu adorei a capa desse, mas a do segundo livro é ainda mais linda, espero que a do terceiro seja tambem e acompanhe o ritmo das duas

    ResponderExcluir
  7. Eu comprei esse livro no mês passado, mas ainda nem comecei a ler ele. Ele parece ser bem clichê mesmo, mas parece ser ótimo, e gostei de saber que você amou a escrita da autora. Eu com certeza vou ler ele, mas acho que só vou ter tempo mesmo quando acabar minhas aulas :P

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oi Ana! Estou louca para ler esse livro. Adoro fantasia e saber que ainda contém elementos de distopia, melhor ainda! Parece um livro incrível, que prende o leitor. Eu achei muito interessante o modo como a autora demonstrou essa divisão de classes, pela cor do sangue. E que capa linda de maravilhosa é essa? Chique e modesta ao mesmo tempo. Ameiii!!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  9. Tipo a melhor descoberta é aquela que se faz quando uma coisa que não era pra acontecer acontece tipo uma Vermelha virar prateada, esse livro mexe com agente e parece ser inesquecivel, eu não acredito não ter tido a oportunidade de le-lo ainda.

    ResponderExcluir